A questão social do patrocínio

Hoje recebi dois e-mails que me chamaram a atenção. O primeiro continha o vídeo chamado “A verdade sobre os rodeios” e o outro, um release informando que uma das maiores empresas de confeitos do mundo irá patrocinar uma das mais tradicionais ‘festa de peão’ do interior de São Paulo.

Se você fizer uma rápida busca nos sites como Google e Yahoo, verá uma série de comentários contra este esporte. Confesso que não tinha esta visão sobre os rodeios até ver o filme e me inteirar mais sobre o assunto. Verá também que, aqueles que defendem o rodeio como esporte, são, na maioria, os que obtêm lucros com o evento. A questão é: “É certo investir dinheiro em tão cruel esporte? Esta ação pode prejudicar a imagem corporativa de uma organização?”

Quem assiste a um evento deste porte, parece não entender a gravidade da situação. Um artigo publicado pela Associação Protetora de Animais São Francisco de Assis (Apasfa) descreve as provas envolvidas e o risco que os animais correm em cada uma delas. Como exemplo, cito a prova Laçada de bezerro, em que um animal de apenas 40 dias é perseguido em velocidade pelo cavaleiro, sendo laçado e derrubado ao chão. Esta ação pode ocasionar ruptura na medula espinhal, e, claro morte. Em algusn casos, ficam paralíticos ou sofrem rompimento parcial ou total da traquéia. O resultado de ser atirado violentamente para o chão tem causado a ruptura de diversos órgãos internos levando o animal a uma morte lenta e dolorosa.

O que foi descrito acima pode ser visto no filme disponível no final deste post. Vejam a crueldade com que os animais são tratados neste tipo de evento que passou a ser considerado esporte após a promulgação da Lei Federal 10.220/01 pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em 11 de abril de 2001. Segundo a lei, “entendem-se como provas de rodeios as montarias em bovinos e eqüinos, as vaquejadas e provas de laço, promovidas por entidades públicas ou privadas, além de outras atividades profissionais da modalidade organizadas pelos atletas e entidades dessa prática esportiva”.

Patrocinar é uma relação comercial que envolve duas ou mais empresas ou entidades. Para que um determinado evento, seja ele cultural, esportivo ou outro qualquer, seja viável, é necessário considerável investimento que pode ser monetário ou em forma de parceria. No caso, a empresa promotora, em troca de suporte, oferece, na maioria das vezes, espaços publicitários ou outro benefício que traga visibilidade que interesse ao patrocinador. É uma forma de comunicação que pode trazer benefícios para aquele que patrocina, como retorno de imagem, quando se estabele uma associação positiva.

Teoricamente, o patrocínio de rodeios não é errado e nem irresponsável socialmente, na medida em que a atividade é aceita pela própria sociedade e já existe lei que a regulamenta. Mas, por outro lado, patrocinar este tipo de evento pode trazer prejuízos à imagem empresarial, pois existe um grupo de pressão contra tal prática esportiva que, talvez, agora não cause danos, mas em um futuro próximo, podem acabar com a reputação da organização.






This entry was posted on quarta-feira, 19 de agosto de 2009 and is filed under ,. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

5 Responses to “A questão social do patrocínio”

Pedro Souza Pinto disse...

Olá, coloquei esse post entre os melhores da semana lá no Horizonte RP: http://horizonterp.ning.com/profiles/blogs/melhores-posts-de-rp-da-semana-1

Muito bom, parabéns!

Ocappuccino disse...

abordou um tema muito interessante do patrocínio, associar a marca a alguns eventos pode ser prejudicial... se bem que esta questão dos maus tratos aos animais é bem 'esquecida'... não há interesse em mostrar, pois estes eventos geram muita grana e tem muito interesse

o video foi removido por violação dos termos de uso :(

mateus d'ocappuccino

Ocappuccino disse...

Não publica mais os comentários?

Era disso que eu falava no outro comentário, é este o interesse que as midis tem de publicar sobre barretos

http://g1.globo.com/jornaldaglobo/0,,MUL1279017-16021,00-FESTA+DO+PEAO+DE+BARRETOS+ATRAI+TURISMO+E+NEGOCIOS.html

abraços
mateus

ser.RP... disse...

Olá Pedro. Obrigado por ter gostado e divulgado o post.

ser.RP... disse...

Matheus. Valeu pelo comentário e pela dica da matéria.