Archive for Setembro 2011

Edição vintage celebra 125 anos de Coca-Cola

No Comments »

Rótulo


Para comemorar seus 125 anos, a Coca-Cola lança uma edição limitada de embalagens comemorativas com rótulos vintage, enfeitados com imagens históricas que marcaram a propaganda de Coca-Cola nesses 125 anos.

Veja acima o rótulo e  abaixo o vídeo da campanha:





Pesquisa: Quatro em cada dez brasileiros costumam usar mídias sociais

No Comments »

Pesquisa Mídias Sociais




De acordo com pesquisa realizada pela GfK  43% dos brasileiros costumam usar mídias sociais como Orkut, Facebook, Twitter e Youtube, entre outros.


O levantamento mostra também que 53% das pessoas das classes AB utilizam mídias sociais, enquanto que nas classes CD os usuários não passam de 33%. O uso de mídias sociais está ainda diretamente relacionado à faixa etária: quanto mais jovem, maior a porcentagem de usuários.


Apesar de que o uso de mídias sociais cresceu no Brasil, o estudo constatou que a utilização ainda é restrita, sendo o número de usuários maior entre as pessoas com maior nível socioeconômico e entre os mais jovens (de 18 a 34 anos).


O estudo da GfK ouviu, em julho deste ano, 1.000 pessoas, a partir dos 18 anos, de nove regiões metropolitanas (Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém) e de três capitais (Brasília, Goiânia e Manaus).


Interação com as marcas através das mídias sociais

A pesquisa buscou ainda identificar o interesse e a interação das pessoas em relação a marcas nas mídias sociais. Entre os usuários das mídias, 27% costumam usá-las para pesquisar uma marca e 17% usam as ferramentas para recomendar uma marca. Já as críticas ou elogios têm a mesma quantidade de citações, com 4% cada.

Pesquisa redes sociais

Impacto das mídias sociais sobre as marcas 

O estudo revela que 52% dos entrevistados acreditam pelo menos algumas vezes nos comentários que veem ou leem sobre uma marca nas mídias sociais, sendo que quanto mais jovem o consumidor, maior o nível de confiança nos comentários nas redes.

pesquisa redes sociais

A pesquisa abordou também o quanto os comentários negativos nas mídias sociais podem influenciar a opinião dos consumidores. Ao ler comentários negativos sobre uma determinada marca nas mídias sociais, 73% dos entrevistados não mudam de opinião, mas buscam saber se os comentários são verdadeiros.





As melhores práticas para contra-ataque às ações de crackers

No Comments »


Por José Antunes*

VirusToda ação vinda de grupos de crackers tem como objetivo principal demonstrar a força desses grupos e até mesmo criar pânico. Com relação aos recentes ataques promovidos em junho deste ano envolvendo sites de diversos governos, entre eles, alguns do Brasil, não podemos dizer que seja um terrorismo virtual, mas, pela característica desses ataques, fica claro que esses grupos buscam prejudicar a credibilidade dos governos no que diz respeito à segurança e à disponibilidade dos serviços.

Este artigo pretende informar aos usuários de todas as esferas (corporativos, governamentais e consumidores) o que são essas ameaças e ataques, para que, conhecendo o propósito dos crackers e como atuam, esses usuários estejam cada vez mais preparados para a prevenção e o contra-ataque. O objetivo é viabilizar a utilização das tecnologias da maneira mais segura possível, analisando e explicando as ramificações das ações dos crackers. Vale lembrar aqui que o termo hacker, mal-empregado em muitos casos, está sendo amplamente utilizado em relação aos recentes ataques. Entretanto a verdadeira denominação para invasores de computadores é cracker, que designa programadores maliciosos e ciberpiratas que agem com o intuito de violar de forma ilegal ou imoral os sistemas.

Nos últimos 12 meses observamos um período de transformação e evolução na cibersegurança. Também foi possível identificar o aumento dos ataques dirigidos, mais sofisticação e com foco na obtenção de dados, inclusive com o crescimento no número de ataques direcionados aos novos dispositivos móveis.

A grande maioria dos recentes ataques de crackers, nos últimos dias, refere-se ao tipo de ataque distribuído por negação de serviços (cuja sigla em inglês é DDoS – Distributed Denial of Service).O  ataque utiliza uma série de computadores escravos ou robôs (bots) espalhados pela Internet que, geralmente, pertencem a consumidores, entre os quais há aqueles que desconhecem padrões básicos e necessários de segurança, além de utilizarem, em alguns casos, programas ilegais. Nessa situação, boa parte desses programas carrega algum tipo de código malicioso (malware) que pode funcionar como “ladrão” de senhas de banco, como cavalos de Troia, e, nos ataques recentes, como bots.

Diferentemente dos vírus antigos, os bots não causam nenhum tipo de lentidão ou problema no computador. A ideia por trás dos bots é que estes fiquem escondidos em algum local do computador até que recebam, via Internet, um comando dos crackers para entrarem em ação. Quando os bots recebem esse comando, milhares deles vão acessar ao mesmo tempo um determinado site, por meio de acessos legítimos ou não. Todo site tem um limite de conexões simultâneas e a velocidade de resposta está diretamente ligada ao tamanho do link que esse site possui na Internet. Quando o número de conexões dos bots é maior que o suportado pelo site, ou quando há limitações de processamento das conexões pelos sistemas o site fica indisponível para acesso, devido à sobrecarga gerada pelos computadores-bots.

Outro tipo de problema detectado também a partir dos recentes ataques de grupos de crackers é o vazamento de informações, viabilizado pela existência de sistemas vulneráveis dentro dos ambientes tecnológicos atacados. Podem ocorrer em qualquer sistema, desde servidores de Web a servidores de bancos de dados ligados à Internet, sendo possível passarem despercebidas aos olhos do usuário corporativo. Existem hoje ferramentas disponíveis para auxiliar na manutenção desses sistemas, de modo a automatizar a detecção de problemas, sejam eles devidos à falta de aplicação de correções (patches) ou a erros de configuração. É importante notar que muitas das informações divulgadas por esses grupos como resultado de seus ataques são na verdade informações públicas disponíveis e acessíveis em sites ou mesmo realizando uma simples busca na Internet. Portanto, até agora, os dados não foram obtidos por meio de um ataque mais sofisticado que visaria a roubo ou vazamento de informações.

Vimos em alguns dos ataques a sites governamentais, por exemplo, uma pichação virtual (defacement), que consiste em modificar a página inicial dos sites colocando uma marca existente há muito tempo na Internet e aproveitando-se das vulnerabilidades ou falhas de configuração dos sistemas. Essa é a forma mais explícita de ataque que aponta para a existência da vulnerabilidade.

Já em relação às infraestruturas críticas de governos e corporações, as soluções e ferramentas de análise de vulnerabilidades em servidores Web, bancos de dados, aplicativos e sistemas operacionais disponíveis ajudam os usuários governamentais e corporativos a automatizarem o processo de manutenção da segurança. A combinação de soluções de prevenção de intrusão de sistemas, de ferramentas de análise de vulnerabilidades, de sistema de reputação em nuvem fornece as informações sobre endereços de protocolos de Internet (os IPs), de aplicações e domínios, em tempo real, constituindo-se em um conceito avançado de defesa contra ameaças que beneficia as infraestruturas críticas de governos, bem como aquelas de empresas de todos os portes e segmentos. As tecnologias aliadas aos links redundantes das infraestruturas críticas, às  políticas de segurança dos órgãos governamentais e das empresas, mais o envolvimento dos provedores de telecomunicações, possibilitam criar proteção e a segurança proativa de vital importância para a contenção de ataques futuros.

Aos consumidores, para os quais a transformação de seus computadores em bots pelos crackers é imperceptível, a melhor maneira de se protegerem e não fazerem parte desse “exército” de computadores necessários para ataques distribuídos de negação de serviços é adotar um programa antivírus e um firewall pessoal em suas máquinas. É importante que o consumidor mantenha seu antivírus sempre atualizado e evite clicar em links recebidos em correios eletrônicos e nas mensagens instantâneas enviados por desconhecidos. E, se ele receber links de pessoas conhecidas, deve confirmar, sempre, com elas a origem desses links.  Assim, poderá navegar e realizar suas atividades na Internet com tranquilidade, uma vez que estará protegido.

 *José Roberto de Oliveira Antunes é gerente de Engenharia de Sistemas da McAfee do Brasil. Formado em Ciência da Computação pela Universidade Paulista – Unip –, atua na área de segurança da informação há mais de dez anos como engenheiro de sistemas, tendo obtido experiência atuando nos maiores fabricantes do segmento. Especializou-se e certificou-se em áreas específicas – TCP-IP e Cisco – pela Global Knowledge, entre outras entidades.




Comunicação Empresarial no Varejo

No Comments »


Seminário de Comunicação

                                                                                       
As inscrições já estão abertas para o Seminário “Comunicação Empresarial no Varejo”, promovido pelo GVcev - Centro de Excelência em Varejo da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) e com apoio do FGV in company, que acontecerá no próximo dia 22, das 8h30 às 13h, no Salão Nobre da FGV-EAESP (Rua Itapeva, 432 – 4º andar), em São Paulo.

Coordenado pelos professores da FGV-EAESP Jacques Gelman e Roseli Morena Porto, o evento tem a finalidade de apresentar a Comunicação Empresarial como importante função administrativa para alinhar a estratégia da empresa com seus diferentes públicos. Entre os palestrantes estão Hugo Bethlem (Grupo Pão de Açúcar), Marilise Oliveira (Grupo Carrefour Brasil), Paulo Nassar (Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial), e Renato Meirelles (Data Popular).

O valor da inscrição é R$ 490,00 para participantes. Alunos da FGV- EAESP pagam R$ 250,00 (até 20/09). Comunidade GV e parceiros pagam R$ 420,00. Para mais informações e inscrições: www.fgv.br/cev.

PROGRAMAÇÃO:

·  08h30 às 09h – Credenciamento dos participantes
·  09h às 09h05 – Abertura com Jacques Gelman (FGV-EAESP)

Bloco I: Comunicação Empresarial: Uma Visão Geral
·  09h05 às 09h30 – A importância da Comunicação no cotidiano das empresas varejistas – Roseli Morena Porto (FGV-EAESP)

•    09h30 às 09h55 – Pesquisa anual Valor Setorial: Comunicação dos presidentes das empresas de valor – Paulo Nassar (Aberje)

·  09h55 às 10h20 – A difícil tarefa de pensar como o cliente – Renato Meirelles (Data Popular)

·  10h20 às 10h40 – Perguntas e Respostas - Moderador: Jacques Gelman (FGV-EAESP)

Bloco II: As funções da Comunicação Empresarial Alinhadas à Estratégia Varejista
 11h10 às 11h35 – As ferramentas de Comunicação alinhadas à Estratégia Empresarial - Hugo Bethlem (Grupo Pão de Açúcar)

• 11h35 às 12h – A comunicação interna em pessoa: a rede de repórteres locais (Marilise Oliveira - Grupo Carrefour Brasil)

• 12h às 12h25 – O impacto da mídia social na reputação da empresa – Marcelo Coutinho (FGV-EAESP)

·  12h25 às 12h45 – Perguntas e Respostas - Moderação: Roseli Morena Porto (FGV-EAESP)
·  12h45 às 13h00 – Encerramento com Jacques Gelman (FGV-EAESP)




Como cheguei até aqui! Por Cristian Alves

No Comments »


Caminho


Como chegar onde queremos ou podemos ...  Difícil ......Pois a caminhada é longa, mas muito prazerosa; fascinante.....e enriquecedora.

Estávamos no inicio do ano de 1997, eu um operador de equipamento da área operacional da  Cosipa – hoje Usiminas, quando fomos convidados para uma inauguração de uma máquina em nossa unidade. Lá fomos nós meio mal humorados, fazer número, não queríamos ir, mas o chefe pediu (mandou né .... rsrsrsrs). Começou o tal evento com discurso dos diretores , superintendentes, mas uma senhora me chamou atenção: ela andava de um lado para outro falava no ouvido de um , no ouvido do outro, e eu curioso com aquilo pergunto para um amigo que trabalhava no prédio administrativo ... Quem é aquela moça? Então ele falou  ela é RELAÇÕES PÚBLICAS da empresa ... Nunca tinha ouvido falar, mas aquilo ficou martelando . Então, chegou o fim do ano e me formei no colegial. Fui fazer vestibular pensando em cursar matemática e dar aulas, pois gostava de exatas. Mas quando recebi o tal livro de profissões para minha surpresa abri na pagina de Relações Públicas ... li tudinho sobre a profissão e fiquei ainda mais encantando.

Imaginem o que escolhi na hora do vestibular? E incrível, eu passei. No começo não entendia muito bem a paixão que estava crescendo pela profissão.

Continuei trabalhando na minha área operacional, mas descobri que tinha também um professor de planejamento em Relações Públicas, que era uma espécie de gerente da área de comunicação da empresa em que eu trabalhava. Então fui me apresentar e me colocar a disposição, mas foi difícil minha transferência para o setor de relações públicas, inicialmente eu era emprestado pela minha área quando tinha algum evento e somente depois  de uns dois anos, consegui o estágio interno do RH e fiquei mais ou menos o mesmo período. Dediquei ao máximo, fazendo acompanhamento das visitas de diversos públicos e também ajudando nos eventos da empresa (inaugurações, plenárias, aniversários da empresa e outras tantas atividades dessa profissão maravilhosa... até evento com o então presidente Fernando Henrique eu fiz). Com o passar do tempo  fiz o processo interno, mas a empresa estava em fase de mudanças e fui informado pelo meu  superintende que deveria voltar para minha antiga área: foi um choque enorme, já me sentia parte da equipe .... chorei muito e, olha que não sou de ficar chorando. Todo mundo me elogiava, falava que tinha futuro na Comunicação. Não agüentei a decepção e pedi demissão (ou melhor pedi para me mandarem embora, pois tinha quase 8 anos de empresa) . Ainda queria ser RP.

Tempos difíceis, mas inovadores, fui contratado por um organizador de feiras e fiz 5 feiras empresariais e adquiri mais experiência na área de eventos corporativos; porém o meu contrato terminou e não foi renovado;

Um novo começo... Em uma dessas feiras conheci a  dona de uma agência de promoções e eventos. Devido a um problema em seu estande, que ajudei a resolver, no último dia do evento ela me perguntou  se eu não gostaria de trabalhar com ela,  mas como ainda estava fazendo as feiras e não sabia que o contrato não iria ser ampliado, não aceitei.  Passado um tempo, o contrato não foi renovado e então no dia 15 de dezembro de 2002 liguei para a senhora da empresa, porém ela me falou que a vaga estava preenchida e que se aparecesse alguma coisa me ligaria, mas sabe como é fiquei decepcionado e sem perspectivas, porém no dia 31 ela me ligou e perguntou se eu não poderia ir no outro dia conversar.
Esse novo projeto iniciou em 01/01/03 e eu parecia que estava no caminho do sucesso e da realização profissional, mas ainda tinha muita água para rolar por debaixo da ponte.

Trabalhei lá por 7 anos aprendi muito e também ensinei algumas pessoas, ajudava em tudo. Eu era desde o faxineiro até o gerente geral. A empresa cresceu nestes anos e chegou o momento em que eu quis colher os frutos daquela empreitada, como eu iria ficar? Sendo sempre um empregado ou poderia me tornar sócio da empresa ... Fiz a proposta.  Pois havia alcançado o ponto máximo (mas como nada na vida é fácil ... depois de uns meses a dona falou que nunca teria um sócio e que não dividiria empresa dela com ninguém). Então optei por sair e procurar abrir minha empresa ... e cheguei a ir para o Paraná para isso, mas não deu certo por alguns motivos . Então,  resolvi voltar para Santos e ver no que dava ... mas foi mais difícil do que eu mesmo imaginava... tudo dava errado, até que resolvi procurar a antiga empresa, pois alguns amigos e conhecidos... Falaram que seria o mais certo a fazer (ledo engano ... fiquei mais um ano, e preferi sair , porém agora estou em novos projetos ... trabalho como gerente de relacionamento e atendimento de uma montadora de estandes e também presto assessoria para algumas empresas e organizadores de feira,  onde atuo como produtor e coordenador de eventos empresariais.

Bem ainda não cheguei .... mas a vida é sempre feita de desafios e se um dia você achar que  chegou ....  significa que acabou o sonho ...... e morremos.

“ O mundo dá muitas voltas e um Novo Mundo sempre surgirá....”

Cristian Alves
Formado em Relações Públicas no ano de  2001 na Universidade Católica de Santos – São Paulo





E você, não quer nos contar sua história? Nós queremos ouvi-la! Deixe seu comentário nos dizendo que quer participar!

Como cheguei até aqui, por Rodrigo Capella






Como cheguei aqui!! Por Ramon Fernandes

Como chegamos aqui? Por Robso Turcato







ERERP 2011 - Encontro de Estudantes de Relações Públicas

No Comments »


Comunicacao


Entre os dias 30 de setembro e 02 de outubro acontece, no Hotel Liau em São Bernardo do Campo (SP), a quinta edição do Encontro Regional de Estudantes de Relações Públicas. A edição desse ano versa sobre “Empreendedorismo, uma visão de futuro”.
O evento – que acontece desde 2007, não tem fins lucrativos e conta com a participação de centenas de estudantes de diversas Universidades -, vem adquirindo nova roupagem com o passar dos anos. Em 2011, serão apresentadas novidades como a Arena Networking e bate-papos com empresários, além de palestras de profissionais de diferentes áreas como: jornalismo, administração de empresas, publicidade e relações públicas
O encontro visa estimular o intercâmbio e a organização de ideias, projetos e estudos, criando um espaço horizontal de interação entre os estudantes e diversos profissionais de comunicação. As inscrições podem ser feitas pelo site http://www.ererp.com.br/sbc2011, e mais informações estão disponíveis nas redes sociais:

Twitter – @ererp
Facebook – http://www.facebook.com/ererp


Programação:

15h – Credenciamento + Coffee

16h – Abertura Oficial

- Elaine Lina (Conferp)
- Flávio Schimith (Conferp)
- Luiz Alberto (ABRP)
- Vladislau Buhler “Juca” (Ererp)
17h – Bate-Papo sobre Empreendedorismo
Feito de forma participativa, para motivar a interação entre os encontristas. Na segunda parte, a platéia será dividida em grupos para montar um plano estratégico para os palestrantes do Bate-Papo, um verdadeiro desafio! Confira os palestrantes:
- Rodrigo Stoqui (Logotube)
- Gustavo Carneiro (Ajude um Repórter)
- Marcus Andrade (Guidu)
Apresentação: Lígia Dutra (Idealizadora do Bate-Papo sobre e-commerce)

09h – Bate-papo com estudantes
- Riziely Herrera – Empreendedorismo Social
- Samanta Fluture – Crowdfunding: financiamento coletivo
- Dorly Neto – Apatia como trava ao empreendedorismo
10h – Desconferência
- Gil Giardelli (Gaia Creative/ESPM)
- Adolfo Melito (Fecomércio)
- Palestrante em aberto
14h – Oficinas
- A Comunicação para o micro e pequeno empreendedor
- O empreendedorismo, a Comunicação e as Startups
- Como uma pequena empresa pode se tornar líder na era digital
15h – Apresentação de trabalhos / Agências Juniores
22h -Festa

13h – Plenária
- Resultado do ERERP São Bernardo do Campo
- Votação da próxima sede
16h – Enceramento

Clique aqui para mais informações!