Archive for Setembro 2007

Web 2.0

No Comments »

Achei um vídeo sobre Web 2.0 no Youtube e fui procurar um pouco mais sobre esse assunto. Não há lugar mais apropriado para se procurar sobre esse tema do que no Wikipedia, ao ler o texo vocês entenderam o porquê. Abaixo a definição que encontrei no site:

"Web 2.0 é um termo cunhado em 2003 pela empresa estadunidense O`Reilly Media para designar uma segunda geração de comunidades e serviços baseados na plataforma Web como wikis, aplicações baseadas em folksonomia e redes sociais. Embora o termo tenha uma conotação de uma nova versão para a Web, ele não se refere à atualização nas suas especificações técnicas, mas a uma mudança na forma como ela é encarada por usuários e desenvolvedores.
Alguns especialistas em tecnologia, como Tim Berners-Lee, o inventor da World Wide Web , alegam que o termo carece de sentido pois a Web 2.0 utiliza muitos componentes tecnológicos criados antes mesmo do surgimento da Web. Alguns críticos do termo afirmam também que este é apenas uma jogada de marketing".

Tim O`Reilly definiu da seguinte forma a Web 2.0:

"Web 2.0 é a mudança para uma internet como plataforma, e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Entre outras, a regra mais importante é desenvolver aplicativos que aproveitem os efeitos de rede para se tornarem melhores quanto mais são usados pelas pessoas, aproveitando a inteligência coletiva"

Ele sugere e define algumas regras para esse novo conceito de web:

O beta perpétuo - não trate o software como um artefato, mas como um processo de comprometimento com seus usuários.

Pequenas peças frouxamente unidas - abra seus dados e serviços para que sejam reutilizados por outros. Reutilize dados e serviços de outros sempre que possível.
Software acima do nível de um único dispositivo - não pense em aplicativos que estão no cliente ou servidor, mas desenvolva aplicativos que estão no espaço entre eles.

Lei da Conservação de Lucros, de Clayton Christensen - lembre-se de que em um ambiente de rede, APIs abertas e protocolos padrões vencem, mas isso não significa que a idéia de vantagem competitiva vá embora.

Dados são o novo “Intel inside” - a mais importante entre as futuras fontes de fechamento e vantagem competitiva serão os dados, seja através do aumento do retorno sobre dados gerados pelo usuário, sendo dono de um nome ou através de formatos de arquivo proprietários.

Ao fazer uma rápida pesquisa pelo Google, rápida devido a quantidade de links apontados pelo buscador a respeito da chamada Web 2.0, a conclusão é que o conceito mais importante é a participação colaborativa dos internautas. Programas podem ser desenvolvidos em coletividade, juntando conhecimentos de várias pessoas de várias partes do mundo. A opinião de quem navega passa a ser exigida e, melhor, passa a ser interpretada e analisada. A web se transforma e se molda ao gosto dos participantes.
Uma grande diferença da antiga Web é que passa-se a cobrar pelos serviços que ficam disponibilizados na rede, e não mais pelos produtos, principalmente no caso de softwares. Pode-se pagar pelo uso sem a necessidade de comprá-los. A web passa a ser a plataforma, pois os programas rodam na internet. E estes softwares sofrem atualizações e modificações de acordo com o uso do cliente.
A Web 2.0 depende da interatividade, da comunicação entre as partes. Na verdade esse termo é um conceito para definir essas novas trocas de informações, as novas formas de interatividade online.

No site Wnews, retirei esse fragmento de uma notícia:

“A possibilidade dos usuários adicionarem valor é apenas um dos oito padrões de desenvolvimento Web 2.0 que Tim listou. O fato do valor da participação do usuário e dos “efeitos de rede” serem acumulado “por default”, sem que necessariamente nos demos conta, é um segundo ponto. A cooperação entre os próprios serviços, permitindo a criação dos chamados “mashups”, é um terceiro, e a geração de grandes bancos de dados que podem alimentar tanto os seus serviços, quanto os dos outros, é o quarto.

Os serviços da nova Web devem também contemplar a “Cauda Longa” (pequenos nichos de mercado que, juntos, representam um enorme volume), ser pouco restritivos nas licenças aplicadas ao seu conteúdo, oferecer software que rode em mais de uma plataforma e atualizar constantemente os programas, que jamais deixariam a “versão beta”. É só analisar os exemplos que listamos no primeiro parágrafo para concluir que quase tudo isso está presente em cada um deles.

Se a definição original da Web 2.0 lhe parecer muito simplista e a lista de princípios de Tim O'Reilly, muito complicada, talvez dê para resumir o conceito pelas palavras do programador Paul Graham. Num artigo publicado no fim de 2005, Graham enumerou três pontos que, em sua opinião, definiam a Web 2.0: Ajax (Asynchronous Javascript and XML, sobre a qual já falamos aqui), democracia e “não maltrate os usuários”. Nós, usuários, agradecemos!”

Com esse novo conceito, novas palavras e novos termos surgem. A Folha publicou um glossário com os principais termos, que publico abaixo:

AdSense: Um plano de publicidade do Google que ajuda criadores de sites, entre os quais blogs, a ganhar dinheiro com seu trabalho. Tornou-se a mais importante fonte de receita para as empresas Web 2.0. Ao lado dos resultados de busca, o Google oferece anúncios relevantes para o conteúdo de um site, gerando receita para o site a cada vez que o anúncio for clicado

Ajax: Um pacote amplo de tecnologias usado a fim de criar aplicativos interativos para a web. A Microsoft foi uma das primeiras empresas a explorar a tecnologia, mas a adoção da técnica pelo Google, para serviços como mapas on-line, mais recente e entusiástica, é que fez do Ajax (abreviação de "JavaScript e XML assíncrono") uma das ferramentas mais quentes entre os criadores de sites e serviços na web

Blogs: De baixo custo para publicação na web disponível para milhões de usuários, os blogs estão entre as primeiras ferramentas de Web 2.0 a serem usadas amplamente

Mash-ups: Serviços criados pela combinação de dois diferentes aplicativos para a internet. Por exemplo, misturar um site de mapas on-line com um serviço de anúncios de imóveis para apresentar um recurso unificado de localização de casas que estão à venda

RSS: Abreviação de "really simple syndication" [distribuição realmente simples], é uma maneira de distribuir informação por meio da internet que se tornou uma poderosa combinação de tecnologias "pull" --com as quais o usuário da web solicita as informações que deseja-- e tecnologias "push" --com as quais informações são enviadas a um usuário automaticamente. O visitante de um site que funcione com RSS pode solicitar que as atualizações lhe sejam enviadas (processo conhecido como "assinando um feed"). O presidente do conselho da Microsoft, Bill Gates, classificou o sistema RSS como uma tecnologia essencial 18 meses atrás, e determinou que fosse incluída no software produzido por seu grupo

Tagging [rotulação]: Uma versão Web 2.0 das listas de sites preferidos, oferecendo aos usuários uma maneira de vincular palavras-chaves a palavras ou imagens que consideram interessantes na internet, ajudando a categorizá-las e a facilitar sua obtenção por outros usuários. O efeito colaborativo de muitos milhares de usuários é um dos pontos centrais de sites como o del.icio.us e o flickr.com. O uso on-line de tagging é classificado também como "folksonomy", já que cria uma distribuição classificada, ou taxonomia, de conteúdo na web, reforçando sua utilidade

Wikis: Páginas comunitárias na internet que podem ser alteradas por todos os usuários que têm direitos de acesso. Usadas na internet pública, essas páginas comunitárias geraram fenômenos como a Wikipedia, que é uma enciclopédia on-line escrita por leitores. Usadas em empresas, as wikis estão se tornando uma maneira fácil de trocar idéias para um grupo de trabalhadores envolvido em um projeto.

As formas de relacionamento com os clientes estão se alterando e muito rapidamente em decorrência dessa interatividade e facilidade de obtenção de informação pelos públicos estratégicos. Complementando, ainda há a possibilidade de se manifestarem contra ou a favor, e até de se organizarem contra determinada empresa ou produto.

No site web2.0br pediram para algumas que entendem de web no Brasil para definirem o termo:

“Melhor aproveitamento da inteligência coletiva e do poder de processamento da máquina cliente. Poder às pessoas.”
Marco Gomes - co-criador do boo-box

“A Web 2.0 representa a transição para um novo paradigma onde a colaboração ganha força suficiente para concorrer com os meios tradicionais de geração de conteúdo.”
Renato Shirakashi - criador do Rec6

“Mudança ocorrida na vida dos usuários que com a banda larga passam mais tempo on-line e exercem massivamente o potencial interativo da Internet.”
Carlos Nepomuceno - autor do livro Conhecimento em Rede

“Web 2.0 é um buzz word que define conteúdo gerado pelo usuário e com foco no compartilhamento de informações. Tudo regado a AJAX.”
Nando Vieira - criador do spesa

“Web 2.0 é um novo paradigma na utilização e criação de web sites mais participativos e colaborativos.”
Fabio Seixas - criador do Camiseteria

“Web 2.0 é o momento em que o mercado, por força dos usuários, voltou a dar importância para web depois do estouro da bolha.”
Paulo Rodrigo Teixeira - criador do 0BR

“Web 2.0 é o termo usado para identificar uma nova forma de navegar pela internet e, conseqüentemente, de desenvolver aplicações orientadas à esta nova geração de internautas.”
Diego Polo - criador do linkk

“Web 2.0 é como chamamos, depois de uma profunda análise histórica da web, um conjunto de práticas que ao longo dos anos provaram dar resultado.”
Gilberto Jr - criador do Outrolado

“A Web 2.0 aponta para uma mídia popular, independente de grandes corporações, recriada pelos seus próprios usuários.”
Frederick van Amstel - é mestrando em Tecnologia pela UTFPR e edita o blog Usabilidoido

“O registro dos fluxos de conversação entre usuários e o registro destes fluxos ao redor de aplicações.”
Mauro Amaral - editor do CarreiraSolo.org

“Ajax, redes sociais, CGM: as definições mais comuns pra Web 2.0, ou um jeito para se voltar a falar de internet? Para mim nada mudou, tudo evoluiu.”
Michel Lent - sócio-diretor da 10 Minutos

“Web 2.0 é buzzword, é fato que a internet está sofrendo transformações, mas precisamos rotulá-la para que essas mudanças tenham validade? Pra maioria da população mundial, que ainda está offline, essa é a Web 1.0.”
Edney Souza - editor do blog Interney

“Sinaliza uma fase na web onde se pratica a liberdade de falar e ser
ouvido. É uma consequência natural do desenvolvimento da internet.”
Vicente Tardin - editor do Webinsider

“Web 2.0 usa a web como plataforma de socialização e interação entre usuários graças ao compartilhamento e criação conjunta de conteúdo.”
Guilherme Felitti - repórter do IDG Now! e mestrando em Web 2.0

“Na web 2.0 não somos mais nômades caçadores-coletores: temos nome, plantamos conteúdo, colhemos conhecimento e criamos novos mundos.”
Rene de Paula Jr - projetos especiais, Yahoo! Brasil e editor do blog Roda e Avisa

“Alguém ouviu falar em TV 2.0 quando as transmissões passaram a ser coloridas ou via satélite?”
Marcelo Sant’Iago - presidente do Conselho Consultivo do IAB Brasil e mantém o blog Poucas e Boas.

O termo ainda traz muitas dúvidas sobre se é ou não uma jogada de marketing. Muitos afirmam que nada mais é do que a conceituação de uma tendência que já estava caminhando naturalmente. O importante, é que, principalmente, nós, Relações Públicas, responsáveis pela comunicação organizacional fiquemos atentos ao que acontece na rede, analisando os fatos e acontecimentos que possam trazer benefícios ou malefícios à empresa. Devemos aprender a utilizar as ferramentas disponíveis na internet como meios de manter os públicos estratégicos informados, deixar canais de comunicação que facilitem o contato desses grupos com a organização. E, claro, utilizar as informações para aliar os interesses da empresa com os dos públicos.
Finalizo esse post, da mesma forma que o pessoal do site Web 2.0 Br. Deixando uma pergunta para sua reflexão:

Qual a sua definição para a Web 2.0?





Aqui a versão original, em inglês:

Postado por Juliano Melo.

Comunicação Visual, cartóes que fazem a diferença...

No Comments »

Nas minhas navegações pela net, hoje madrugada adentro, visitei um blog de publicidade que traz assuntos bem interessantes. Brainstorm#9. Gostei muito da idéia de um cartão de visitas de uma empresa americana de jardinagem. O papel do cartão é reciclado, e dentro dele é colocado sementes de grama. Não há dúvidas de que esse cartão representa bem a atividade exercida pela empresa. Aliar criatividade com a comunicação traz grandes resultados...


Post original: http://www.brainstorm9.com.br/

Postado por Juliano Melo.

Pop Cases do Conrerp

1 Comment »


Estamos sempre divulgando blogs de comunicação e hoje trazemos um muito interessante e bem atualizado abrindo espaço para discussão sobre o mundo RP. É o RPalavreando. Aproveitei e copiei uma notícia que estava postada no blog:


"Se você quer conhecer os trabalhos vencedores do 26º Prêmio Nacional de Opinião Pública, não pode perder o 1º POP CASES, que será realizado no dia 28 de setembro, das 9 às 15h40, nas Faculdades Integradas Rio Branco.


Confira o programa do encontro, promovido pelo Conrerp 2ª Região - Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas – SP/PR e faça sua inscrição. E anote na agenda: as inscrições para o 27º Prêmio de Opinião Pública 2007 foram prorrogadas. Agora você tem até o dia 11 de outubro para inscrever o case de sua empresa.


Inscrições: Lucimara SilvaCONRERP - 2ª Região SP / PR



Telefones: (11) 3801-2450 / (11) 3872-4020 / 0800 167 853

Rua Monte Alegre, 212 cj. 61 – Perdizes - CEP: 05014-000 - São Paulo - SP


1º POP CASES

Data: sexta-feira, 28 de outubro de 2007

Horário: das 9 às 15h40

Local: Faculdades Integradas Rio Branco

Rua Capitão José Inácio do Rosário, 133 – Lapa.

Entrada pela avenida José Maria de Faria, 111, travessa da Avenida Ermano Marchetti – altura do nº. 928".


Postado por Juliano Melo.

Comunicação Organizacional

1 Comment »

Recebi no meu e-mail (julianoamelo@hotmail.com) a newsletter do site meio&mensagem, veiculada no dia 29/09/07, e uma matéria chamou a atenção. Em destaque estava a mudança de posicionamento instittucional do Omo (sabão em pó). Já faz algum tempo que a marca vem investindo no mote que a criança para se desenvolver deve brincar sem se importar em se sujar, “Porque se sujar faz bem”. Abaixo um trecho da matéria:


“A marca Omo de sabão em pó vem investindo pesado em uma comunicação institucional que prima pelo emocional. A roupa passou a ser coadjuvante, enquanto a criança e 'a sujeira do bem', aquela que ajuda no aprendizado e no desenvolvimento infantil, foram alçadas à posição de protagonistas. A campanha publicitária que Omo inicia semana que vem procura ir um passo além dos conceitos 'Não existe mancha sem aprendizado', desenvolvido globalmente em 2001, e 'Porque se sujar faz bem', de 2003, ambos criados pela Lowe (BorghiErh/Lowe no Brasil). O mote agora é 'Toda criança tem direito de ser criança'. A causa mundial defendida pela marca é que toda criança deve brincar, participar do mundo que a cerca e explorá-lo. "Não é uma campanha de produto, e sim de conceito", diz Adriana Yamamoto, gerente de marketing de Omo”.

A intenção aqui não é discutir a campanha da marca Omo. Mas trazer um tema de extrema importância que deve ser trabalhado pelos Relações Públicas: a comunicação institucional. Conforme Kunsch (p. 111),

"A comunicação institucional objetiva conquistar simpatia, credibilidade e confiança, realizando, como meta finalista, a influência político-social; utiliza, para tanto, estratégias de Relações Públicas, tanto no campo empresarial como no governamental, de imprensa, publicidade, até as técnicas e práticas do lobby".

Com essa campanha, a Unilever foca-se na marca e não diretamente no produto. Com os produtos cada vez mais iguais, em consequência das formas de produção serem praticamente as mesmas, o fator de competitividade passou a ser a imagem da empresa. A marca é um nome, um símbolo, um desenho, ou a combinação de todos que identifica o produto, o serviço ou a empresa no mercado (Neves, p. 41). Traz a mente do cliente uma grande quantidade de significados como tradição, experiência, qualidade, seriedade, ética, e se mal cuidada, pode trazer qualidades negativas que podem implicar em uma má imagem empresarial. Para se ter uma imagem forte é necessário investimentos na comunicação, assim como a Unilever faz:

“Segundo Adriana, a Unilever investiu R$ 9 milhões para o lançamento no País, valor que já está contabilizado no orçamento de marketing de R$ 40 milhões para o produto em 2007. Desse total, R$ 25 milhões foram aplicados em ações para comemorar os 50 anos de Omo no Brasil”.

E aí, o que sua empresa está fazendo para cuidar da imagem institucional...? Quer saber mais sobre este assunto, leia os livros:


KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de Relações Públicas na comunicação integrada. São Paulo: Summus, 2003.

NEVES, Roberto de Castro. Imagem Empresarial: como as organizações (e as pessoas) podem proteger e tirar partido do seu maior patrimônio – 3° ed., Rio de Janeiro: Mauad, 2003.
Postado por Juliano Melo.

Pá daqui, pá dali ... Sei lá, entende?

2 Comments »

Fazer relacionamentos.... palavras muito ouvidas durante o curso de Relações Públicas. E, interessante dizer como a tecnologia veio para ser um facilitador nessa questão. Lançamos nosso blog e partimos para divulgá-lo em outros pontos da rede. Nessa jornada acabamos aumentando nossa rede de relacionamentos. Encontramos o blog do Márcio Gonçalves, um estudioso da área de comunicação, e a nosso pedido ele nos enviou um post muito interessante e bem humorado, mas que nos traz grandes reflexões sobre nossa postura como comunicadores.
Obrigado Márcio e esperamos que a amizade que está começando traga grandes contribuições ao Mundo da Comunicação!

Pá daqui, pá dali ... Sei lá, entende?
Lembra do personagem Patropi, da Escolinha do Professor Raimundo, aquele interpretado pelo humorsita Orival Pecini? Pois é, para quem não sabe, os bordões “Pá daqui, pá dali ... Sei lá entende?...Você parece que não sei, meu!” mostravam uma sátira aos estudantes de comunicação social, que falavam sem parar, mas a eles faltava uma qualidade primordial nos dias de hoje: objetividade.

Não dá mais para um estudande de comunicação social, ou até mesmo que você seja um profissional do mercado, comportar-se com um cara sei lá, entende? Digo isso porque para os profissionais de comunicação do século 21, ser tachado como um Patropi não é legal. A todos nós, sobretudo àqueles que pretendem trabalhar com comunicação organizacional, é preciso ter um discurso coerente, inteligente e, mais ainda, um pensamento estrategista. Isso mesmo. As empresas cobram destes (novos) comunicólogos/comunicadores um pensamento que eleve a comunicação organizacional ao posto de departamento/área/ setor estratégico. Considero que a comunicação nas empresas deva gerar bons resultados e bem-estar. Sendo assim, temos que, também, desenvolver habilidades de administrador, estudando estratégias de comunicação e de relacionamento. Afinal, se não tivermos essas qualidades, cada vez mais teremos nas empresas pessoas com tais habilidades, mas sem formação em comunicação, assumindo postos de gerentes/coordenadores/diretores das áreas de comunicação corporativa.

Então, você já parou para pensar se está comportando-se como um Patropi?


Marcio Gonçalves por ele mesmo...
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
"Sou um curioso de nascença, que sempre se preocupou em compartilhar tudo o que aprendeu na vida com os amigos. Acho que por isso virei um pesquisador. Formado em jornalismo e especialista em Pesquisa de Mercado e Opinião Pública, em 2006 concluí o mestrado em Ciência da Informação e, muito em breve, já ingressarei no doutorado. Enquanto isso, pesquisa vai, pesquisa vem, continuo na luta para encher meu baú de conhecimento. Contatos imediatos pelo email: contato@mosaicocomunicacoes.com".


http://marcio-comunicacaoempresarial.blogspot.com/

Postado por Juliano Melo.

Premio Top of Mind de Internet

No Comments »


"O Top of Mind de Internet é uma pesquisa que tem por objetivo conhecer e premiar as marcas mais lembradas pelos usuários quando navegam pela rede.
Dividida em vinte e uma categorias, a pesquisa realizada pelo Datafolha ouviu 2091 pessoas com 14 anos ou mais que acessam a internet, em casa, pelo menos quatro vezes por semana. Em cada categoria, foi perguntado aos participantes qual marca vem em primeiro lugar à sua mente.
A margem de erro da pesquisa, para o total da amostra, é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Quando ocorreu empate, o awareness - soma dos percentuais daqueles que lembram da marca em primeiro lugar com as demais marcas lembradas, independente da ordem de lembrança - foi usado como critério para definir o vencedor.
O levantamento foi realizado entre os dias 5 e 7 de março de 2007, e foram ouvidos usuários de internet das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Brasília.


A Iniciativa UOL


Em 2001, a Folha promoveu o iBrands, um amplo estudo produzido pelo Datafolha com o objetivo não apenas de aferir lembrança de marca mas também de traçar um perfil detalhado do internauta brasileiro e de suas opiniões sobre assuntos como publicidade online, e-commerce e spam, etc.
Em paralelo, desde 1991 o Instituto Datafolha realiza uma pesquisa para o jornal Folha de S.Paulo, com o objetivo de identificar quais são as marcas mais lembradas pelos brasileiros, conhecida como Folha Top of Mind.
Com base na iniciativa da Folha e retomando parte da idéia do iBrands, o UOL apresenta a 1ª edição do Top of Mind dedicado exclusivamente à lembrança de marca na Internet.
A intenção principal do evento é reconhecer o trabalho dos profissionais / marcas que contribuem para a valorização da Internet .
Foram pesquisadas 21 categorias de produtos e serviços que já utilizam a Internet como meio de comunicação, divulgação e branding".



Postado por Juliano Melo.

Biquinho?

No Comments »

Essa é uma chamada de um artigo veiculiado no site Terra, mais especificamente no Terra Magazine. Segundo o autor Sírio Possenti (professor associado do Departamento de Lingüística da Unicamp e autor de Por que (não) ensinar gramática na escola, Os humores da língua e de Os limites do discurso), os "modos de falar uma língua provocam graça e exclusão". Enquanto graça não vemos problema e pode ajudar na integração entre seres. Mas no caso de se tornar uma exclusão, vemos como uma barreira à comunicação, e, consequentemente a falta de interação, o que pode acarretar em extremismo como o pré-conceito. Clique no link abaixo e tenha acesso ao artigo completo:


http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1942218-EI8425,00.html

Postado por Juliano Melo.

A madre superiora e as noviças rebeldes....um caso de Roberto Castro Neves

No Comments »


Roberto Castro Neves é um profissional na área de comunicação que merece toda a nossa atenção. Em nosso trabalho de TCC utilizamos dois de seus livros para embasar nosso conteúdo teórico. Tivemos a honra de sua presença em um evento realizado por nós, alunos de Relações Públicas, à época no segundo ano do curso. O encontro chamou-se ELOCOM. Contamos também com a presença de Paulo Nassar nesse encontro.

Abaixo a introdução de um artigo de Castro Neves, para apresentar o site que disponibiliza na internet.


A madre superiora e as noviças rebeldes


"O desafio do comunicador não se resume apenas na adequação da mensagem ao veículo. Para que a comunicação seja eficaz é necessário que a mensagem produza os efeitos desejados. Quando isto não acontece, tempo e recursos são jogados fora. Assim muitos esforços morrem na praia. Fazemos tudo by the book, dentro dos conformes e... nada! O problema continua vivo e forte, rindo da nossa cara. O consolo é que, às vezes, por linhas tortas e por acaso... bingo e bingo! Bem na mosca! O famoso “atirou-se no que viu e acertou-se no que não se via”. Exemplo.Em um colégio de moças, o faxineiro reclamou com a Madre Superiora que, todos os dias, uma aluna desconhecida deixava a marca de seus lábios no espelho do banheiro. O problema é que a mancha do batom dificultava bastante a limpeza porque, ao tentar limpa-la, a gordura do batom se espalhava, obrigando o servente a esfregar a superfície do espelho várias vezes até que a mancha desaparecesse totalmente".

Para acessar o artigo todo, clique no link abaixo:





Postado por Juliano Melo.

Semana de Comunicação Esportiva na UNESP de Bauru

No Comments »

Essa notícia vai especialmente para nossos amigos do Relações Públicas no Esporte.
"A discussão sobre esportes que vai além do senso comum será a preocupação do II Seminário de Comunicação Esportiva: Economia e Esporte, a ser realizado na Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac) da Unesp de Bauru, entre os dias 26 e 28 de setembro de 2007.
Organizado pela docente da Faac, Sandra Turtelli, e pelos estudantes do curso de Jornalismo, Camila Samogim, Daniel Gomes, William Douglas de Almeida e Gustavo Longo, o evento terá com proposta, nesta edição, "mostrar as dimensões financeiras do esporte, que podem ser pensadas em casos como, o por quê de determinado esporte ter mais investimento que o outro, ou o destino do investimento nos Jogos Panamericanos", explica Daniel".
Para ler o resto da notícia entrem no site:

http://www.universia.com.br/noticia/materia_dentrodocampus.jsp?not=38972
Postado por Juliano Melo.

Lista de Blog de Comunicação

1 Comment »

Esse trabalho é de extrema importância e deve ganhar lugar de destaque, pelo menos aqui no ser RP vai ganhar. O blog Monitorando lançou uma lista de endereços de blogs de comunicação.
A idéia da lista pelo próprio autor Rogério Christofoletti:
"Em julho deste ano, iniciei um esforço coletivo de reunir numa lista os principais blogs de pesquisadores em Comunicação no Brasil. A idéia era simples: juntar professores, mestrandos, doutorandos, pesquisadores em geral do campo da Comunicação que mantivessem seus blogs. Esses pontos na web não precisavam tratar necessariamente da área, já que a intenção era mesmo aglutinar pessoas afins em alguma coisa, e com isso mostrar as suas heterogeneidades.
De sugestão em sugestão, chegamos a mais de cem endereços na lista, e agora, acho que é necessário abrir mais. Por isso, convido os colegas de Portugal, Moçambique, Angola, Goa e todo o mundo que fala a Língua de Camões a constituir uma Lista Lusófona de Blogs de Pesquisadores em Comunicação.
Estão mantidos os mesmos critérios da lista brasileira: Entra quem é pesquisador da área da Comunicação e que tenha um blog. A lista estará em constante construção, aceitando sugestões de todos os lados. Passar a lista adiante é outra forma de contribuir para este esforço para a blogosfera em língua portuguesa".
Deve ficar como consulta. A medida que for conseguindo vamos tentar postar esses endereços com breves comentários do que achamos sobre eles.
A idéia
O link direto para a lista:

http://monitorando.wordpress.com/2007/09/09/lista-lusofona-de-blogs-de-pesquisadores-em-comunicacao//
Aqui o link da página inicial:
http://monitorando.wordpress.com/

Postado por Juliano Melo.

Lançamento do livro "Comunicação pra quê?"

No Comments »


Hoje como podem perceber tiramos o dia para indicar blogs. Fomos dar uma espiadinha nos empregos da área de comunicação (sempre acessamos o Rede RP), e deparamos com uma notícia agradável. Mais uma publicação de um livro para os amantes da área de comunicação:

"Amanhã, 25 de setembro, às 19h, a Editora All Print lançará o livro Comunicação pra quê?, do jornalista Marcio Gonçalves.Nesta obra, o autor reuniu 11 textos que abordam, de uma forma clara, objetiva e bem-humorada, o cenário da comunicação interna nas organizações.O livro foi diagramado em formato de blog, pois, assim, revela como o autor desenvolveu sua idéia. No decorrer dos textos ha sugestões de sites dedicados à valorização da comunicação empresarial e ainda terá a chance de interagir com o autor por meio do seu blog". Fonte Rede RP.

O blog do jornalista Marcio Gonçalves tem uma linguagem muito agradável e temas bastantes atuais. Não deixem de conferir...

Ps: Fizemos um convite a ele para escrever sobre quem deve gerenciar a comunicação interna nas empresas... esperamos que aceite...

Postado por Juliano Melo.

RELAÇÕES PÚBLICAS PESSOAIS: o que ? como ? onde ? por quê ?

No Comments »

Postamos mais uma dica de blog. O Blog Relações Públicas Pessoais, configurado pelas futuras profissionais de comunicação Carol Fumis e Fernanda Fustinoni, também surgiu, assim como o serRP, para divulgar o trabalho de conclusão de curso, do quarto ano de Relações Públicas da Universidade Estadual de Londrina.
O estudo aborda como as Relações Públicas podem trabalhar a imagem de personalidades públicas. Defendem que, como ferramenta comunicacional, a profissão de capaz de trabalhar de forma eficiente a comunicação visando o desenvolvimento de uma imagem positiva perante os públicos estratégicos.
Este é um tema bastante interessante, e pouco estudado no Brasil.
Acompanhem o desenvolvimento do trabalho através do link:



http://www.rpessoais.blogspot.com/

Postado por Juliano Melo.

Vagas de emprego, estágios...Rede RP

No Comments »

Procurando blogs relacionados à área de Relações Públicas, tivemos uma grata surpresa de encontrar o Blog Rede RP. Segundo a sua própria definição, é um "Espaço destinado à publicação de vagas de emprego pertinentes às atribuições dos profissionais de Relações Públicas e outros ligados à Comunicação Organizacional". Para quem procura emprego na área, ou quer se manter informado sobre vagas de Relações Públicas não devem ficar longe deste excelente blog.
Acessem o link abaixo e conheçam um pouco mais:

http://rederp.blogspot.com/
Postado por Juliano Melo.

Um novo parágrafo...

No Comments »


Inicia-se um novo "parágrafo" na comunicação!


"Esse blog tem o objetivo de compartilhar idéias e opiniões!

Primeiro a inspiração, depois a expiração! Inspirem-se!
Levem suas idéias para frente"
Indicação de um blog que tráz muita informação interessante e criativa. Parceiros de faculdade...
Não percam tempo...clica logo aí embaixo:
Postado por Juliano Melo.

Responsabilidade Social

No Comments »

Londrina-PR é uma das cidades mais atrativas do Brasil para se fazer carreira, inúmeras empresas estão migrando ou escolheu a cidade para iniciar novos investimentos. No último mês a cidade recebeu uma nova empresa, a SABE AUDITORES ASSOCIADOS, uma empresa inovadora que veio para deixar sua marca e contribuir para o desenvolvimento do terceiro setor na região.
A empresa desenvolve projetos, executa auditorias e presta consultoria para entidades sem fins lucrativos, sua filosofia é baseada na ética e valorização do ser humano, portanto a cidade dispõe agora de um grupo de profissionais que podem contribuir significativamente em projetos públicos e privados de interesse social.
Se você é comprometido com a responsabilidade social, visite o site da empresa e desfrute do conteúdo totalmente voltado para o terceiro setor, lá você encontrará artigos e notícias que poderão ajudá-lo em pesquisas e trabalhos diversos.

http://www.sabeauditoria.com.br/
Postado por Juliano Melo.

No Comments »


Rodando um pouco pela internet, achei um site bem interessante e decidimos colocar como dica. O link abaixo vai direcioná-lo diretamente a um artigo sobre o novo papel da comunicação interna, na visão de seu autor, Ricardo Saldanha, especialista em intranets e portais corporativos, Consultor e Diretor Executivo da Plena Consultores, profissional de marketing e ex-diretor adjunto de Tecnologia da Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento (SBGC).
Apesar do autor não ter citado as Relações Públicas como gestor da comunicação interna, vale a pena ler o texto.

O conteúdo do artigo não reflete necessariamente a nossa opinião.

Postado por Juliano Melo.

Homenagem à Margarida Kunsch

No Comments »


Os coordenadores da campanha nacional de valorização da profissão de relações públicas, Marcia Carvalhal e Marcello Chamusca, homenagearam a professora da ECA/USP e atual presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores de Comunicação Organizacional e Relações Públicas (Abrapcorp), Margarida Kunsch, durante o I Congresso Aberje Bahia de Comunicação Empresarial, realizado no dia 20 de setembro, no Othon Palace Hotel, em Salvador/BA.

Segundo Marcello Chamusca, a professora Margarida Kunsch é uma profissional símbolo da valorização das relações públicas no país. "Por toda a sua luta pela valorização da nossa profissão no Brasil, nós entendemos que ela merece ser considerada a profissional símbolo da campanha de valorização da profissão de relações públicas", afirmou Chamusca.
Leia mais em:
http://www.campanha.rp-bahia.com.br/
Postado por Juliano Melo.

Relações Públicas no Esporte

No Comments »

A importância do profissional de relações públicas como administrador de relacionamentos junto aos públicos que possuam um interesse comum na área esportiva é de extrema importância. E atuando aliado ao marketing esportivo, torna-se essencial para a sobrevivência de equipes esportivas, que a cada dia que passa, tornam-se mais profissionais e acabam sendo tratadas como EMPRESAS.Acrescenta-se ainda o escasso número de trabalhos realizados na área, e o grande interesse do grupo em trabalhar com o tema. Viu-se na área esportiva, um campo pouco explorado e com vastas possibilidades de atuação das Relações Públicas. Com isso, pretende-se dar a contribuição desta profissão para o posicionamento.



http://relacoespublicasnoesporte.blogspot.com/

Postado por Juliano Melo.

Afinal, o que são as Relações Públicas Internacionais?

No Comments »

Podemos entender as Relações Públicas Internacionais como uma área de atuação para as Relações Públicas, que vai além dos limites geográficos de cada país. Seguindo uma definição acadêmica, temos:
Relações Públicas Internacionais são o conjunto de medidas, iniciativas, esforços e formas práticas de ação e expressão, que visam a obter mais estreito e produtivo relacionamento entre os povos, no sentido de estimular e facilitar o entendimento, a coexistência e a cooperação entre eles, no sentido também de fomentar melhores e mais amplas atividades de intercâmbio comercial e industrial, e finalmente, com o objetivo de ampliar os níveis de cultura geral, através de mútuas facilidades de acesso aos respectivos patrimônios e instrumentos de cultura. Brasil As Relações Públicas Internacionais se diferem das Relações Públicas pelo fato de que suas ações se realizam em um outro país. E sua diferença das Relações Internacionais é que esta atua no campo do direito, economia e diplomacia.
Quer saber um pouquinho mais sobre Relações Públicas Internacionais? Visite o Blog:
http://relacoespublicasinternacionais.blogspot.com/
Postado por Juliano Melo.

Origem

No Comments »

Olá a todos! Vamos fazer um breve relato sobre a origem de nosso blog.
Ele surgiu da idéia de nossa professora e orientadora de TCC, que propôs a todos os alunos (não só os orientandos) que participaram de sua oficina a divulgarem os trabalhos de conclusão de curso por meio deste veículo.
Nosso trabalho se desenvolve na ÍMPAR - Inteligência de Marketing (Londrina - PR) e analisa as necessidades da organização em relação à mudança de sua marca institucional, de C&P Consultores Associados para Ímpar – Inteligência de Marketing, por meio de técnicas de relações públicas. Trabalharemos com a comunicação interna e institucional.
A empresa é dirigida pelo Prof. Dr. Cláudio Luiz Chiusoli e do Prof. Dr. Mário Nei Pacagnan, ambos doutores em Administração/Marketing – pela FEA/USP.
Atua na área de:

  • Consultoria em Plano de Negócios;
  • Planejamento Estratégico;
  • Planejamento de Marketing;
  • Mapeamento de Fluxos e Processos;
  • Treinamentos Corporativos;
  • Pesquisas qualitativa e quantitativa.

Recentemente nosso trabalho foi aceito no congresso de valorização do profissional de Relações Públicas, organizado pelos fundadores do Portal rp-Bahia.


Atualizaremos nossos posts com o conteúdo teórico e algumas estratégias de comunicação utilizadas na ÍMPAR - Inteligência de Marketing. Serão colocados também, textos e blogs relacionados à área de comunicação.


Postado por Juliano Melo.